Informativo Corona Vírus Covid 19
Fale com o WhatsApp do redenovo
Sagrado Rede de Educação / Notícias / Educação 4.0: Uma nova forma de aprender

Educação 4.0: Uma nova forma de aprender

Email Facebook LinkedIn Print Twitter 06 de Março de 2020

Um contexto histórico pautado na nova revolução industrial — que visa a inteligência artificial — e a realidade escolar com perspectivas totalmente evoluídas. Essas e outras inovações caracterizam a educação 4.0, um modelo de ensino que atende o atual plano da tecnologia.

A impossibilidade de continuar com um sistema de aprendizagem o qual o professor apenas dissemina o assunto, fez com que a educação 4.0 posicionasse o aluno no centro do conhecimento, em pleno processo de autonomia. 

Dessa forma, a trajetória das revoluções industriais é inserida no conjunto de demandas da nova educação. Se antes tínhamos a linha de produção com uma quantidade elevada de produtos do mesmo modelo; hoje, a necessidade do mercado em oferecer cada vez mais peças personalizadas trouxe a indústria 4.0 e seu fácil acesso às tecnologias também para as escolas. 

Qual tipo de escola queremos para o século XXI e o que estamos esperando desta geração com um cérebro hiperconectado? Neste texto, vamos discutir sobre:

  • O que é a educação 4.0;
  • Metodologias ativas: a flexibilização do ensino;
  • O que esperar da educação 4.0 para o futuro.

O que é a educação 4.0

A nova educação não se limita somente ao processo de aprendizagem: indústria 4.0, internet das coisas, inteligência artificial e learning by doing são alguns dos termos que também envolvem este modelo de ensino.

A educação 4.0 vem com uma proposta maior na abordagem da educação, ou seja, o professor passa a ser um orientador e incentivador para a criatividade, experimentação e descobertas do aluno. Aliado a isso, as salas de aula passam a ter novas disposições, abrindo espaço para áreas colaborativas e de interação.

Nesse ponto de vista, o aprendizado enfatiza as habilidades digitais, competências socioemocionais e multidisciplinaridade; associando ambientes inovadores e proporcionando, aos alunos, uma maior possibilidade de desenvolver a invenção, solucionar problemas e protagonizar o conhecimento. 

Além disso, o planejamento pedagógico passa a ter como objetivo o aperfeiçoamento de competências, através das metodologias ativas. 

Metodologias ativas: a flexibilização do ensino

As metodologias ativas estão totalmente ligadas à nova proposta de educação, com estratégias que centralizam a participação do aluno de forma flexível e interativa. O principal objetivo é fazer o estudante aprender de maneira autônoma, sendo responsável pela construção do seu próprio conhecimento. 

Não se trata de apenas uma estratégia, mas, sim, de um conjunto de modelos de aprendizagem que se complementam de maneiras diferentes. O essencial é envolver os alunos no conteúdo, contando com o cenário em que eles estão inseridos atualmente: os meios digitais e tecnológicos. 

Dessa forma, a cultura do aprender fazendo entra na realidade escolar, integrando materiais que despertam a autonomia, o senso crítico, o protagonismo, a confiança e muitas outras habilidades que estimulam a solução de problemas.

O que esperar da educação 4.0 para o futuro

Atualmente, a tecnologia permite que o aluno esteja, a todo momento, conectado e recebendo informações. Por isso, cabe à escola adotar medidas personalizadas, de acordo com os interesses e necessidades de cada um, garantindo sua atenção.

A acessibilidade sobre essas inovações oferece maior facilidade ao processo de aprendizagem, uma vez que a forma como se aprende e se ensina passa a acompanhar as demandas da nova geração.

O futuro da educação é não simplesmente acumular conhecimentos, mas saber a maneira correta de solucionar um problema. O aprendizado se torna colaborativo, os professores são facilitadores das habilidades dos alunos e as salas de aula são transformadas em ambientes inovadores.

E é através da aplicação de novas tecnologias que o desempenho do estudante pode ser avaliado, tomando base em seu histórico de dados e nível de engajamento.

Gostou do conteúdo? Compartilhe este artigo com seus amigos!