Informativo Corona Vírus Covid 19
Fale com o WhatsApp do redenovo
Sagrado Rede de Educação / Notícias / [SAGRADO PLAY&PRAY] Episódio #9 - Divertidamente

[SAGRADO PLAY&PRAY] Episódio #9 - Divertidamente

Email Facebook LinkedIn Print Twitter 16 de Julho de 2020
Direção de Pete Docter
Duração 94’ | EUA | 2015
Classificação Indicativa: 
L - Livre para todos os públicos

 

Episódio disponível nas plataformas:

  

Estamos vivendo um tempo de mudanças e muitos falam que a sociedade pós-pandemia deve viver um “novo normal”, e perceber que não é mais possível viver como se nada tivesse acontecido. Talvez isso fosse mais fácil se não nos sentíssemos internamente afetados. Ainda mais quando pensamos nos mais frágeis, naqueles que, por conta de dificuldades financeiras ou mesmo psicológicas, dependem mais uns dos outros.

Pensemos em como as crianças têm vivido essa realidade tão nova e tão de perto, e veremos que não é assim tão simples. Como explicar ao outro nossa própria fragilidade? Não é fácil assumir que algumas vezes parecemos perder o controle de nossos próprios sentimentos ou, ainda mais, perceber que no mundo não vivemos só alegrias, mas temos que lidar com frustrações! Sim, temos ainda tanto o que aprender. 

Riley, a protagonista desta animação vencedora de um oscar e outros 97 prêmios, nos faz olhar de forma criativa para dentro de nós mesmos. Alguns têm mais facilidade, outros menos, para nomear os próprios sentimentos. Mas neste filme alguns são evidenciados: alegria, tristeza, medo, nojo e raiva se alternam na “sala de comando” localizada no cérebro da menina, que tinha uma vida tranquila até a necessária mudança de cidade dos pais, que provoca nela um “turbilhão” de sentimentos diante desta nova e desconhecida realidade.  

Apesar de o filme da Disney Pixar ter sido criticado por mostrar sua protagonista como alguém extremamente “dependente” e praticamente manipulada por seus próprios sentimentos, sem liberdade, esta obra também nos mostra, por outro lado, algo importante como os fundamentos da construção da própria identidade sobre importantes bases: família, honestidade, senso de humor (bobeira), amizade e habilidades pessoais (hóquei).

Aqui, cabe mais uma vez ressaltar o papel importante que a família tem ao assistir ao filme com os filhos, salientando aquilo que de relevante e essencial uma animação voltada para o público infantil pode oferecer.

 

Depois de ver o filme, algumas indicações para a oração:

Saber olhar para si como Deus olha

É importante, na construção da própria personalidade, saber olhar para si mesmo e reconhecer-se na verdade. A Igreja nos ensina que somos imagem e semelhança de Deus e, como tal, somos filhos no Filho: Jesus.

O fato de sermos filhos de Deus, porém, não nos retira nossa natureza. Pelo contrário, como dizia Santo Agostinho, a graça (de Deus) supõe a natureza. Podemos dizer, ainda mais: é a graça de Deus que nos faz ser mais humanos, integrados, seres equilibrad/os e voltados para Ele e para os outros. Somos capazes de uma liberdade que não nos limita diante de nossas fragilidades, mas nos torna capazes de relação, de amizade, de amor.

Reconhecer-se para reconhecer o outro

Por isso, nesse tempo particular que estamos vivendo, é importante aprender a valorizar aquilo que é essencial. Tanto se fala hoje de “serviços essenciais” e o comércio sofre com aberturas e fechamentos. Sabemos reconhecer em nossa vida o que é essencial? O que forma o nosso caráter e nos torna mais irmãos? Que Deus nos dê a graça de nunca nos fecharmos para aquilo que nos forma, que molda nosso caráter, que nos faz mais fraternos e solidários.

Riley tinha habilidades no hóquei, mas tais habilidades só foram desenvolvidas diante dos incentivos dos pais. Muitas vezes, nossas habilidades humanas também precisam de incentivos externos. Queira Deus que em nossa vida tenhamos e sejamos pessoas capazes de reconhecer o que de bom existe no outro e em nós mesmos.  

Ele passou pela dor

Por fim, podemos pensar que aquele que atravessou a dor e a morte por nós, faz-nos capazes de vencer as frustrações da vida. Os momentos em que nos sentimos “sem liberdade” e incapazes de controlar nossas próprias reações e sofrimentos. Que tenhamos Jesus como nosso amparo e sustento, na caminhada de cada dia, principalmente diante daquilo que não somos capazes de entender, de superar, ou de perdoar. 

Convido a rezar uma passagem da Sagrada Escritura que se encaixa bem com este pequeno filme e tê-la em mente nos próximos dias. Talvez escrevendo o trecho que mais lhe tocou em uma folha e pendurá-la em um local de passagem ou estratégico da casa. 

“Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. Seja a vossa equidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor. Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o Deus de paz será convosco. Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade. Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” (Filipenses 4:4-13)

Para finalizar o momento de oração:

Cuida Senhor do meu coração neste tempo
Cuida da minha família e do que tenho de mais precioso
Tu me conheces e sabes os desejos e aflições que trago no coração
Seja a tua luz a habitar em mim
Para que cada minha ação seja reflexo da tua
E eu, sinal da tua graça que me faz mais humano(a).
Amém.

Sugestões de temas a serem trabalhados: Sentimentos, Família, Amizade, Honestidade, Liberdade, Mudanças  
Sinopse: 
Crescer pode ser uma jornada turbulenta, e com Riley não é diferente. Ela é retirada de sua vida no meio-oeste americano quando seu pai arruma um novo emprego em São Francisco. Como todos nós, Riley é guiada pelas emoções – Alegria, Medo, Raiva, Nojinho e Tristeza. As emoções vivem no centro de controle dentro da mente de Riley, onde a ajudam com conselhos em sua vida cotidiana. Conforme Riley e suas emoções se esforçam para se adaptar à nova vida em São Francisco, começa uma agitação no centro de controle. Embora Alegria, a principal e mais importante emoção de Riley, tente se manter positiva, as emoções entram em conflito sobre qual a melhor maneira de viver em uma nova cidade, casa e escola.
Ficha Técnica:
Título: Inside Out (Original)
Ano produção: 2015
Dirigido por: Pete Docter
Estreia: 2015 (Brasil)
Duração: 94 minutos
Classificação L - Livre para todos os públicos
Gênero: Animação Aventura Comédia Drama Família Fantasia